Ex-presidente do Flamengo e " o baixo nível da política dos clubes brasileiros"

Eduardo Bandeira de Mello, ex-presidente do Flamengo disse outro em uma entrevista - excelente -  ao jornal o Lance, que não guarda mágoas e que o grupo político que ele lidera "não trabalhará contra" e nem vai  repetir "o baixo nível" de oposição com o qual teve que conviver desde 2015, quando houve a cissão da Chapa Azul, com a saída de membros e vice-presidentes, que hoje fazem parte da direção.

Bandeira de Mello afirmou ainda que " toda a minha diretoria está na arquibancada, torcendo a favor do Flamengo. Ninguém do nosso grupo vai fazer nada para dificultar o trabalho de ninguém. reconhecemos que existe outra diretoria e que nosso papel é continuar torcendo da arquibancada".

Quando estive em Lima ao lado do repórter Dionisio Outeda na cobertura da final de Libertadores testemunhei o carinho da torcida do Flamengo por Eduardo Bandeira de Mello.

" A revolução que fizemos não foi só na área financeira. Fizemos uma revolução gerencial, pois os métodos e os padrões de governança do clube mudaram da água para o vinho. Fizemos uma revolução jurídica, pois o jurídico do Flamengo foi sempre complicado. Tínhamos mais de 600 ações trabalhistas e no nosso período terminamos praticamente zerados" disse Bandeira de Mello.

Responsabilidade Fiscal: " Conseguimos aprovar o que chamamos de Responsabilidade Fiscal Rubro-Negra em 2015. Uma mudança no estatuto que tem certas salvaguardas para impedir, vamos dizer assim, delinquências gerenciais. Se acontecer de ter apropriação indébita de novo, uma gestão temerária, o dirigente responde como pessoa física e pode sofrer processo de impeachment". 





Comentários

  1. Para mim um dos maiores injustiçados no futebol brasileiro. Fez o que fez, profissionalizou o clube e era perseguido e alvo de “emboscadas políticas” no clube carioca.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Eleição na Federação de Futsal: STJD nomeia interventor

América: Panela de pressão estourou

Arbitragem feminina ganha espaço e entra para a história do futebol potiguar